Topo

Futebol


Cruzeiro e Fred obtêm liminar que suspende multa de R$ 10 mi ao Atlético-MG

Atacante deixou o Atlético-MG em dezembro de 2017 e acertou com o Cruzeiro logo em seguida - Vinnicius Silva/Cruzeiro
Atacante deixou o Atlético-MG em dezembro de 2017 e acertou com o Cruzeiro logo em seguida Imagem: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Enrico Bruno, Gabriel Carneiro e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte e em São Paulo

08/07/2019 12h39

Cruzeiro e Fred obtiveram uma liminar para suspender a multa de R$ 10 milhões que o jogador teria que pagar ao Atlético-MG por conta do acordo com o arquirrival em dezembro de 2017. O Galo pode recorrer da decisão, mas ainda não foi informado sobre o caso. A informação foi divulgada inicialmente pelo Globoesporte.com e confirmada pelo UOL.

Por ser solidário ao atacante no caso, o Cruzeiro é quem traça a estratégia de defesa neste caso. Na manhã de hoje, a 13ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte concedeu antecipação de tutela para suspender o processo arbitral que obrigava o atleta a desembolsar a quantia para o ex-clube.

Os advogados do camisa 9 questionam a ida do caso para a CNRD (Câmara Nacional de Resolução de Disputas) da CBF. O órgão foi escolhido como o competente para julgar a situação quando Fred e Galo fizeram o distrato, no fim de 2017.

"A Camara Nacional de Resolução de Disputas (CNRD) não tem competência trabalhista para determinar a execução de dívida e mandar compensar crédito de natureza alimentar", informou Mauricio Corrêa da Veiga, advogado de Fred.

O juiz do trabalho Marcos Soriano Lopes foi quem expediu a decisão na manhã de hoje. Ele suspende liminarmente o Processo Arbitral CNRD 2018/TRF/094.

Ao deixar a Cidade do Galo em dezembro de 2017, Fred e Atlético acordaram que o jogador teria que pagar uma multa de R$ 10 milhões em caso de acordo com o arquirrival Cruzeiro até 31 de dezembro de 2018, quando se encerraria o vínculo rescindido com o time alvinegro.

Como Fred acertou a ida para a Toca da Raposa II antes da data estipulada, o Atlético acionou a CNRD da CBF para solicitar o pagamento da multa. O caso prosseguiu e foi vencido pelo clube mineiro. O órgão vinculado à CBF decidiu que a multa deveria ser paga pelo atleta. A situação, no entanto, cabe recurso. O centroavante tem até hoje (8 de julho) para recorrer na CBMA (Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem). Esta será a última instância.

Mais Futebol