Piora do ataque ajuda a explicar instabilidade do São Paulo em 2016

Rodrigo Caio ter se lançado ao ataque de forma desesperada para marcar o gol da vitória do São Paulo sobre o Juventude tem um significado importante. O ataque tricolor tem números ruins nesta temporada, principalmente em comparação a 2015. E foi justamente essa deficiência que atrapalhou a classificação da equipe para as quartas de final da Copa do Brasil - como perdeu por 2 a 1 no Morumbi, o time paulista foi eliminado mesmo vencendo por 1 a 0 em Caxias do Sul.

Para avançar, era preciso vencer por dois ou mais gols de diferença. O problema é que isso aconteceu em apenas oito partidas em 2016: 4 a 0 no Água Santa, 2 a 0 no Novorizontino e 2 a 0 no Mogi Mirim pelo Paulistão, 6 a 0 no Trujillanos (VEN) e 4 a 0 no Toluca (MEX) na Libertadores, 2 a 0 no Vitória, 3 a 0 no América-MG e 3 a 1 sobre o Figueirense pelo Brasileirão.

No ano passado, quando o time alcançou as mesmas 59 exibições que tem neste momento, o número era bem maior: 20 vitórias por dois ou mais gols. A diferença também é nítida se forem computados todos os jogos em que a equipe foi às redes por mais de duas vezes. Em 2016, foram somente 14 confrontos com placares mais recheados, contra 27 da última temporada.

O desempenho atual é de 69 gols em 59 partidas, resultando em média de 1,16 tento por jogo. Em 2015, os tricolores já haviam marcado 88 vezes quando alcançaram 59 exibições na temporada - chegou ao número em 30 de setembro, no empate em 1 a 1 com o Vasco da Gama, que levou o time à semifinal justamente da Copa do Brasil.

Outro sintoma está na divisão dos gols. O argentino Jonathan Calleri e o meia Paulo Henrique Ganso, que deixaram o São Paulo em julho, têm 16 e sete gols, respectivamente, e ainda são os artilheiros da equipe. O terceiro posto está com Andres Chavez, que tem seis tentos em 12 partidas e diante do Juventude alcançou três jogos sem balançar as redes.

No Brasileirão, a equipe tem o quinto pior ataque, com apenas 27 gols e à frente só de América-MG (18), Figueirense (24), Internacional e Atlético-PR (26). Comparando Ricardo Gomes com Edgardo Bauza, o argentino leva a melhor no geral. Foram 59 gols em 49 jogos com Patón (média de 1,2), contra oito em oito partidas de Ricardo Gomes (média de um). Só na Série A, o argentino viu 19 tentos em 18 exibições, contra seis em seis do atual treinador.

 

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos