Resposta de Guto Ferreira a mulher em coletiva gera acusações de machismo

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

  • Jeferson Guareze/AGIF

Uma resposta de Guto Ferreira à jornalista Kelly Costa, da RBS TV, na entrevista coletiva que sucedeu a vitória do Inter sobre o Luverdense pela Série B, na terça-feira, foi acusada de ter cunho machista. O treinador não retrucou a questão da repórter com outra pergunta porque 'ela é mulher e talvez não tenha jogado futebol'. Através das redes sociais, sobraram manifestações sobre o caso.

A pergunta de Kelly era referente à pressão sobre os jogadores. Nas chances desperdiçadas, admitidas por Guto na coletiva, seria erros meramente técnicos ou algo além disso? O treinador começou sua manifestação citando o gênero de quem o havia questionado.

"Não vou te responder com uma pergunta porque você é mulher e talvez não tenha jogado (futebol). Mas todo jogador que joga, tem dificuldades de ter uma tensão a mais no lance final. Precisa acertar para ter confiança. Se você já jogou para perceber isso, mas de repente trouxe a resposta mais para a situação de canalisar nesta forma. O avanço na confiança é muito importante. Não é treinamento só, isso eles estão fazendo, é ter a possibilidade de, sob pressão, conseguir que a bola entre. Daí fazer de novo e de novo", disse o treinador.

Guto percebeu que errou no tom da resposta. Tanto que tão logo acabou a coletiva, ainda na zona mista do Beira-Rio, pediu desculpas à jornalista pela resposta dada na entrevista. No dia seguinte, ele concedeu uma entrevista ao "SporTV" em que reforçou o pedido de desculpas. "Fui muito infeliz no meu raciocínio", admitiu.

Nas redes sociais, o técnico foi acusado de machismo. Não foram poucas as críticas à colocação, que gerou revolta também entre as repórteres presentes na entrevista.

Em campo, o Internacional venceu o Luverdense por 1 a 0 e atingiu o 5º lugar na classificação da Série B.

Veja a repercussão na internet

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos