Torcedores do Flamengo invadem Maracanã sem ingresso

Leo Burlá, Pedro Ivo Almeida e Vinicius Castro

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Mauro Pimentel/AFP

O clima caótico que antecedeu a finalíssima da Copa Sul-Americana piorou à medida que o jogo entre Flamengo e Independiente se aproximava. Centenas de torcedores do clube rubro-negro forçaram a entrada e acessaram o Maracanã, grande parte deles sem bilhetes. Os torcedores flamenguistas entraram para a ala este do estádio, uma das mais nobres do Maracanã, e também no setor Norte.

Torcedores do Flamengo foram forçando e invadindo, atravessando as grades de isolamento para entrar no Maracanã. Para evitar que pessoas fossem pisoteadas na confusão, portões foram abertos e centenas conseguiram infiltrar o estádio sem ter ingressos. A polícia, que sofreu para organizar os arredores do estádio, ainda não se manifestou a respeito da invasão.

A torcida rubro-negra conseguiu burlar os portões E, F e Bellini e, no processo de invadir, causou o completo caos. Além de portões quebrados, os torcedores estouraram um cano da estrutura do estádio. Correndo atrás dos invasores, a polícia utilizou bombas e spray de pimenta. Afetados pelos artefatos, os flamenguistas utilizaram a água que saía do cano afetado para tentar um alívio ao limpar o rosto.

A bagunça na entrada da torcida do Flamengo é apenas mais uma no meio da série de confusões que antecedem o confronto que terá início em campo às 21h45 (de Brasília). Desde a noite de terça-feira (12) torcedores rubro-negros tem confrontado os rivais argentinos na capital carioca.

Nas últimas horas, no entanto, a torcida do Independiente foi agredida na aproximação ao Maracanã. Os argentinos passaram por um cordão de isolamento na rua Eurico Rabelo, entrada do time visitante, e foram alvo de objetos arremessados por flamenguistas. Na tentativa de conter o conflito, a polícia atirou bombas na direção dos dois torcedores.

Argentinos também foram barrados por possuírem ingressos para setores do estádio destinados à torcida do Flamengo. Estes bilhetes, no entanto, têm como origem uma doação da Conmebol aos dirigentes do Independiente, que repassaram as cortesias aos torcedores. Entradas falsas também foram apreendidas nas mãos dos visitantes, que tiveram sua área completamente isolada.

Reprodução/SporTV

As provocações entre torcedores de Flamengo e Independiente foram crescendo com a proximidade da grande final da Sul-Americana. Um torcedor argentino imitou um macaco em alusão aos flamenguistas que chegavam ao estádio para a partida.

A torcida brasileira também respondeu de maneira ofensiva: dois rubro-negros posaram para foto com um submarino de papelão, em clara referência ao submarino argentino desaparecido.

C5N Noticias/Argentina

Na véspera do jogo, flamenguistas filmaram uma parte do treino do rival no Estádio Nilton Santos. Na gravação, que tem cerca de 5 minutos e 38 segundos e foi transmitida ao vivo no Facebook, é possível ver os jogadores da equipe argentina treinando jogadas de bola parada em cobranças de escanteio e de falta.

Torcedores dos dois times chegaram a entrar em confronto na noite de terça, em frente ao hotel Hilton, na Barra de Tijuca, onde a delegação do Independiente se hospedou para a grande final. Os rubro-negros soltaram fogos de artifício em direção ao local e ultrapassaram as grades de seguranças que cercavam a entrada.

Do outro lado, um grupo de argentinos reagiu às provocações dos rivais. Alguns conseguiram passar pela área isolada e houve troca de agressões até a intervenção da Polícia Militar, que reforçava a vigia no entorno do hotel.

O clube argentino já anunciou que procurará a Conmebol para reclamar dos atos da torcida rubro-negra na noite anterior à partida. O clube argentino publicou um comunicado no qual critica a ação da polícia carioca por permitir diversos incidentes contra o Independiente e seus torcedores em solo brasileiro.

"O Independiente vem por a presente formular à Unidade Disciplinária a seguinte denúncia e pedido de emissão de ordens em relação aos incidentes sucedidos na noite de ontem e na madrugada de hoje nas imediações do hotel onde se encontra concentrada nossa equipe e em outros pontos da cidade", diz o texto.

As polêmicas não param por aí: funcionários de Fluminense e Flamengo foram presos na Operação Limpidus, comandada pela Polícia Civil em parceria com o Ministério Público do Rio de Janeiro e que visa combater a farra de ingressos, mas, nesta quarta-feira, cambistas foram vistos agindo livremente nos arredores do Maracanã.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos