Como a Turquia tem voltado às compras e atraído jogadores brasileiros

Lucas Pastore

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação/Galatasaray

    Lateral-direito Mariano é um dos reforços do Galatasaray para a próxima temporada

    Lateral-direito Mariano é um dos reforços do Galatasaray para a próxima temporada

Maior campeão da história do futebol da Turquia, o Galatasaray se livrou nesta janela das sanções impostas por descumprir o fair-play financeiro da Uefa e tem Mariano e Maicon como duas de suas três maiores contratações para a próxima temporada. As transferências refletem uma tendência no futebol do país, que sempre olhou com atenção especial para jogadores brasileiros e, com seus clubes mais organizados financeiramente, pode voltar a ser destino comum para eles.

Livre para contratar novamente, o Galatasaray gastou sete milhões de euros (cerca de R$ 25,7 milhões) parar tirar Maicon do São Paulo e quatro milhões de euros (aproximadamente R$ 14,7 milhões) para tirar Mariano do Sevilla. Foram duas das três contratações mais caras do clube, que pagou oito milhões de euros (pouco mais de R$ 29,3 milhões) ao Dínamo de Kiev para comprar o meia Younès Belhanda.

A lista pode aumentar, já que o Galatasaray tem interesse na contratação do volante brasileiro Fernando, que pertence ao Manchester City.

Vinte vezes campeão da Turquia, o clube se vê livre para contratar novamente justamente quando seus dois principais rivais têm limitações após sanções impostas por descumprimento do fair-play financeiro. O Fenerbahce, 19 vezes campeão, e o Besiktas, 15 vezes campeão, só podem utilizar a verba proveniente de vendas se quiserem comprar jogadores.

A Turquia havia se consolidado como destino comum para jogadores brasileiros. Recentemente, o Galatasaray teve Alex Telles e Felipe Melo. Agora, tem Mariano, Maicon e pode ter Fernando. O Fenerbahce conta com Souza e Fernandão. O Besiktas vendeu Rhodolfo e Marcelo, mas ainda tem Adriano e Talisca.

Divulgação
Maicon é mais um reforço do Galatasaray para a temporada 2017/2018

Porém, a fase de sanções financeiras coincidiu com momento em que os clubes brasileiros pagam salários cada vez maiores. A combinação foi responsável por atrapalhar a ida de jogadores do país para a Turquia.

"Acho que mudou um pouco em relação ao salário. Há três, quatro anos os clubes brasileiros aumentaram muito os salários. Por isso, não foi possível atrair grandes jogadores para a Turquia", explicou Bayram Dagdeviren, empresário turco que trabalha no ramo de futebol, ao UOL Esporte.

Enquanto não podem gastar muito dinheiro para comprar jogadores, Besiktas e Fenerbahce se reforçam principalmente com empréstimos ou jogadores livres. É o caso do zagueiro Pepe, brasileiro naturalizado português, reforço sem custos do atual campeão turco.

Como projetam o fim das sanções para a próxima janela, clubes do país europeu podem negociar empréstimos com valor fixado de compra para a próxima temporada se quiserem "driblar" a punição. Era neste modelo que o Besiktas pretendia comprar Dudu, do Palmeiras.

Além do Galatasaray, mais quatro clubes da Turquia se reforçaram com brasileiros para a temporada 2017/2018. O Kayserisport pagou 1,2 milhões de euros ao FCS Bucuresti, da Romênia, pelo meio-campista Fernando Boldrin. As outras transferências foram sem custos: o zagueiro Titi trocou o Gaziantepspor pelo Bursaspor, o ponta-esquerda Maicon trocou o Lokomotiv Moscou pelo Antalyaspor e o centroavante Kahê, que estava sem clube, fechou com o Yeni Amasyaspor.

Com dois reforços brasileiros e negociando com o terceiro, o Galatasaray é a prova de que o mercado turco não perdeu interesse nos brasileiros. Quando Besiktas e Fenerbahce se livrarem de suas sanções, podem seguir o mesmo caminho.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos