Topo

Futebol


Romero adia renovação e fala em "completar contrato" com o Corinthians

Marcelo Alvarenga/AGIF
Conversas ficam para janeiro, quando Romero poderá assinar pré-contrato com qualquer time Imagem: Marcelo Alvarenga/AGIF

Do UOL, em São Paulo

2018-12-10T18:51:50

10/12/2018 18h51

As tratativas de renovação do Corinthians com Ángel Romero estão congeladas até 2019. O jogador tem vínculo apenas até julho, de forma que se reapresentará para a próxima temporada podendo assinar pré-contrato com qualquer equipe e sair de graça no meio do ano. Em entrevista a uma rádio paraguaia, o atacante falou sobre o assunto nesta segunda-feira (10).

Confira as movimentações do mercado da bola

"Tenho contrato com o Corinthians até julho de 2019, e minha intenção por agora é completar este contrato que me falta, depois continuar no clube. Depois veremos o que acontece. Já me abordaram no clube por uma renovação, e veremos mais adiante. Mais adiante vamos começar a falar do tema, que por agora é tratar de completar o contrato que tenho para poder definir", declara Romero à rádio Monumental AM, de seu país-natal.

O Corinthians abriu conversas para renovar com Romero no meio do ano, quando o jogador vivia boa fase e despertava o interesse de Cruz Azul (MEX) e Real Sociedad (ESP). Há um mês o clima era de otimismo entre as partes, mas tudo ficou para 2019. Na semana passada, o UOL Esporte ouviu de pessoas próximas a Romero que o acordo estaria adiantado e que o atacante "ama o Corinthians e está feliz".

A demora coloca o clube em xeque. Caso não renove ou não negocie Romero até julho, o Corinthians precisaria pagar 3 milhões de dólares (cerca de R$ 6,7 milhões na ocasião) ao empresário Beto Rappa. Foi ele quem arcou com a contratação do atleta, em 2014, e repassou 20% de seus direitos econômicos ao Corinthians. 

De certa forma, o cenário é semelhante à situação vivida com Balbuena, no início da temporada. Em março, o Corinthians só conseguiu estender o vínculo com o zagueiro para evitar perdê-lo de graça no final do ano. Os empresários do jogador endureceram a negociação, e o acordo saiu pouco favorável ao clube, com multa contratual relativamente baixa (4 milhões de euros, pagos pelo West Ham em julho).

Mais Futebol