Tite diz que errou ao levar taça da Libertadores a Lula em 2012

Do UOL, em São Paulo

  • Heinrich Aikawa/Instituto Lula

    Lula ao lado da taça da Libertadores e de dirigentes do Corinthians em julho de 2012

    Lula ao lado da taça da Libertadores e de dirigentes do Corinthians em julho de 2012

Após rechaçar um encontro da seleção brasileira com o presidente eleito Jair Bolsonaro, o técnico Tite declarou que errou ao levar a taça da Copa Libertadores de 2012, conquistada pelo Corinthians, ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ao lado de representantes do clube paulista, o atual comandante do Brasil ainda entregou uma réplica do troféu a Lula.

"Em 2012 eu errei. Ele não era presidente, mas fui ao Instituto e mandei felicitações por um aniversário. Não me posicionei politicamente. Não tenho partido político, tenho sim a torcida para que o Brasil seja melhor em igualdade social. E que nossas prioridades sejam educação e punição. Que seja dada a possibilidade de estudo ao garoto de São Braz, que não tem chão batido para ir à escola, ou da periferia de Caixas ou do morro do Rio de Janeiro. Seja dada a ele a prioridade de estudo e não a outras situações", falou Tite ao programa "Grande Círculo", que ainda irá ao ar no SporTV.

Leia também:

Na ocasião, Tite e outros representantes do Corinthians foram ao Instituto Lula para mostrar a taça original da Libertadores ao ex-presidente

O assunto foi levantado, porque recentemente Tite foi questionado se aceitaria um encontro da seleção brasileira com Bolsonaro em uma conquista de título ou antes da Copa América de 2019, por exemplo. O treinador deixou claro que preferiria evitar esse tipo de formalidade

Apesar disso, Tite não questionou a ação de Palmeiras e CBF, que convidaram Bolsonaro para a festa do título do Campeonato Brasileiro. O presidente eleito até levantou a taça conquistada pelo Alviverde.

"Em 2012 eu fiz e errei. O protocolo e a situação gerada no jogo do Palmeiras são fatos de opinião pessoal. CBF e Palmeiras, enquanto instituições têm a opinião. Errei lá atrás, não faria com o presidente antes da Copa e nem agora porque entendo que misturar esporte e política não é legal. Fiz errado lá atrás? Sim. Faria de novo? Não", acrescentou o comandante. 
 

UOL Cursos Online

Todos os cursos