Topo

Futebol


Liberdade devolve protagonismo a D'Ale no Inter, mas será testada novamente

Ricardo Duarte/Inter
D'Alessandro retoma protagonismo com nova formação do Inter Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

2019-02-09T04:00:00

09/02/2019 04h00

D'Alessandro está mais livre no meio-campo do Inter. A mudança tática apresentada na partida contra o Brasil de Pelotas devolveu o protagonismo ao armador, adiantado no gramado. Porém, ainda precisa ser testada fora de casa e contra outros adversários. 

Diante do Brasil, o Inter abriu mão do 4-1-4-1 e partiu para o 4-2-3-1. E as alterações de movimentação foram diversas. 

Primeiro, Edenílson passou a permanecer mais no setor defensivo, evitando passar a linha da bola ou receber em profundidade. Como volante pela direita, era dele a responsabilidade pela cobertura ao lateral Bruno. Dourado foi deslocado do centro para o lado esquerdo e passou a cuidar exclusivamente das costas de Iago. 

Os extremos, Neilton e Nico López, também foram adiantados. E D'Alessandro teve a principal mudança de função. Deixou de ser central da esquerda, com atribuições defensivas pela esquerda, e passou a atuar centralizado logo atrás do centroavante. Por ali, distribuiu bons passes e criou as principais jogadas do time vermelho. 

"Essa variação, já usamos no ano passado. Não é a primeira vez. E deu certo pelas características do jogo, em casa, quando se tem uma proposta de propor mais o jogo, criar situações, ter a bola, criar chances. É um sistema em que a equipe tem uma ofensividade, na teoria, maior. Mas buscamos o equilíbrio em todas as fases do jogo. Não adianta ser ofensivo e não ter uma situação de equilíbrio. Se acaba tomando contra-ataques. Tem que conseguir criar, ser efetivo, e evitar os contra-ataques para que não se acabe perdendo jogos em bola parada ou desta forma. É isso que se procura quando tem que propor o jogo, jogar no campo do adversário", disse o técnico Odair Hellmann. 

Porém, o formato novo precisa de testes. Contra o Juventude, no domingo, o cenário será diferente do último jogo. O Inter não estará em casa, mas no Alfredo Jaconi. E o Ju, em tese, também tentará atacar. 

A ideia é, então, testar o equilíbrio citado pelo comando técnico para avaliar a nova movimentação sob outro cenário. 

"Buscamos essa evolução para poder utilizar essas variações a qualquer momento. No ano passado usamos o tripé fortalecendo o meio, então preparar essa variação é evoluir. É importante para que a cada jogo possamos definir qual a melhor estratégia para o momento", completou Odair. 

Inter e Juventude jogam no domingo às 17h (de Brasília), pela sexta rodada do Gauchão.

Mais Futebol