Topo

São Paulo

Dúvida, Liziero pode voltar ao local onde viveu noite de alegria e choro

Alan Morici/AGIF
Liziero, volante do São Paulo Imagem: Alan Morici/AGIF

José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

2019-04-19T04:00:00

19/04/2019 04h00

Dificilmente Liziero vai se esquecer da noite de 28 de março de 2018. Na ocasião, o jogador viveu emoções bastante distintas na Arena Corinthians. Em sua sexta partida como profissional, o jovem era um dos principais destaques do São Paulo no clássico com arquirrival, válido pela semifinal do Campeonato Paulista. Na disputa por pênaltis, o final feliz foi interrompido pela defesa de Cássio em sua cobrança. Caso seja liberado pelo departamento médico, ele voltará em uma decisão na casa alvinegra.

Na temporada passada, o meio campista ganhava uma oportunidade de se firmar na equipe comandada pelo técnico uruguaio Diego Aguirre. Então com 20 anos, o são-paulino deixou para trás a desconfiança de alguns com apresentações bastante destacadas. Surgia assim uma nova promessa das categorias de base de Cotia.

Na hora da disputa por pênaltis, o jogador não fugiu da responsabilidade (vale ressaltar que ele havia perdido duas cobranças na Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2018). Na hora de sair do gramado da Arena Corinthians, ele foi amparado pelos companheiros mais experientes. Caiu no choro no vestiário e teve dificuldade para dormir.

Aquela noite serviu para ajudar no amadurecimento de Liziero. A postura do garoto foi bastante elogiada por todos dentro do Morumbi e o garoto se firmou como profissional - fechou 2018 com 40 partidas e dois gols marcados. Nesta temporada, ele ficou fora da equipe por dez partidas por causa de dores no púbis e entorse no tornozelo direito. Ainda assim, é uma das referências do time e apresentou bom desempenho, como nas quartas de final, com o Ituano.

Para o jogo deste domingo contra o Corinthians, ele ainda é dúvida, pois sentiu dores na coxa esquerda durante um treinamento na última semana. O exame médico constatou uma pequena alteração na região e ele faz tratamento intensivo no Reffis, sendo reavaliado antes da decisão.