Topo

Futebol


"Brasil tem obrigação. Nós, esperança": Dudamel filosofa por jogo perfeito

Divulgação/LaVinotinto
Rafael Dudamel é técnico da seleção da Venezuela desde 2016 e ganhou elogios de Tite em coletiva hoje Imagem: Divulgação/LaVinotinto

Danilo Lavieri, Gabriel Carneiro, Marcel Rizzo e Pedro Lopes

Do UOL, em Salvador

2019-06-17T22:01:59

17/06/2019 22h01

Rafael Dudamel, histórico goleiro do futebol venezuelano e técnico da seleção desde 2016, está empolgado com a partida de amanhã, às 21h30, contra o Brasil. O treinador tomou conhecimento dos elogios feitos por Tite, que considera a Venezuela uma das possíveis surpresas da Copa América. De acordo com Dudamel, esse tipo de declaração mostra que seu país está conquistando reconhecimento no futebol.

VEJA TAMBÉM

Meio-campo é foco da Venezuela em treino atrasado por chuva

Seleção brasileira se preocupa com "surpresa" Venezuela

"Há um respeito, um reconhecimento internacional que nossos jogadores ganharam por boas atuações e resultados que estão tendo em partidas contra outras seleções, fora de casa, que nos serviram de preparação. Nossa seleção é mais respeitada, mais admirada, basta analisar o plantel, isso gera muito respeito. Na base nós construímos gerações altamente competitivas, podemos assistir aos torneios sul-americanos e ter espaço de protagonismo. Estamos nesse trabalho permanente", disse o treinador, antes de filosofar sobre as aspirações para a segunda rodada.

"Imagino uma partida muito intensa. O Brasil é um dos rivais que pela capacidade técnica e física dos jogadores, que têm uma grande cultura tática, é top. Mas temos muito claro o funcionamento do rival, agora é adrenalina, foco e intensidade para responder ao jogo brasileiro. E quando temos a bola jogar com critério. Temos clareza, principalmente, do que significa a partida de amanhã: o Brasil tem a obrigação e nós temos a esperança."

Rafael Dudamel quer evitar os erros da Bolívia, que tentou jogar defensivamente e foi derrotada por 3 a 0, e conta com um "jogo perfeito" na Arena Fonte Nova: "A melhor maneira de respeitar nossos rivais é querendo superá-los, sabendo que não será nada fácil, que é preciso um jogo quase perfeito para ganhar do Brasil. Coletivamente não adianta se quatro, cinco ou seis jogadores tiverem bom rendimento, você precisa de toda a equipe lúcida. É uma partida sem margem de erro. Nós crescemos, antes de colocar a camisa vinotinto (como é conhecida a seleção venezuelana) colocando a camisa do Brasil, Era nosso favorito nas grandes competições. Agora estamos vestindo Vinotinto e queremos competir."

Lembranças do Brasil

Em território brasileiro, Rafael Dudamel foi questionado sobre suas lembranças a respeito da Copa Libertadores de 1999, quando ele foi finalista pelo Deportivo Cali diante do Palmeiras, o campeão. "Lembro que quem dirigia o Palmeiras era o professor Scolari, O goleiro era Marcos, meu colega. Jogamos em Cali e lembro de um Palmeiras agressivo, pressionando. Mas aos 25 Scolari começou a dizer para virem para trás. Ganhamos por 1 a 0 e poderia ter sido mais. Mas no Parque Antártica perdemos por 2 a 1 e foi para os pênaltis. Erramos o quarto e o quinto e isso nos custou o título. Mas foi muito parelho. É uma recordação bonita que conto aos mais jovens."

O Palmeiras comemorou os 20 anos da conquista ontem.

Errata: o texto foi atualizado
Diferente do informado anteriormente, a tradução correta para a frase de Rafael Dudamel é "Brasil tem obrigação. Nós, esperança". O erro foi corrigido.
ESPN e Ei PLus

Assista a todos os jogos e programas de ESPN e El Plus sem TV a cabo.

Mais Futebol