Cobrado pelo recorde do Paraná, Petraglia responde conselheiros do Atlético

Napoleão de Almeida

Colaboração para o UOL

  • Reprodução

    Petraglia foi questionado por conselheiros e respondeu via WhatsApp

    Petraglia foi questionado por conselheiros e respondeu via WhatsApp

Recluso do contato público e oficialmente licenciado do cargo de presidente do Conselho Deliberativo do Atlético Paranaense, Mario Celso Petraglia encaminhou uma mensagem via WhatsApp a diversos conselheiros do clube para justificar a decisão de alugar a Arena da Baixada ao Paraná Clube, que obteve o recorde de público presente no estádio, após ações promocionais e com ingressos cinco vezes mais baratos dos que os praticados pelo Atlético.

No texto, Petraglia defende a negociação em função do fluxo de caixa: "O futebol mudou, hoje é milionário, quem não tiver caixa não ganhará nada, nossa luta é nesse sentido, no entanto, vemos e sentimos a falta de visão e de controle de parte da nossa torcida sofrendo e sentindo ódio por motivos fúteis e sem nenhum significado maior!" O dirigente não mencionou nada sobre a política restritiva com os torcedores do próprio Atlético, em comparação com as benesses concedidas aos paranistas durante o uso do estádio. "O PC (sic) está num momento de motivação, na busca da sobrevivência e recuperação, por esta razão os 40K presentes hoje a preço de R$ 30,00 o ingresso, lembro, o que paga a conta é renda e não publico!" O dirigente foi apontado por Carlos Werner, empresário ligado ao Paraná e que organizou o evento, como um dos responsáveis pelo sucesso do jogo.

Petraglia ainda aproveitou para alfinetar os críticos, citando o falecido presidente Joffre Cabral e Silva, que na década de 60 levou Djalma Santos e Bellini ao Furacão e morreu de parada cardíaca em um estádio, deixando uma frase: "Nunca deixem morrer o nosso Atlético" - as observações são de Petraglia.

Reprodução
Petraglia enviou mensagem a conselheiros que reclamaram sobre recorde do Paraná na Arena

"O pedido do Jofre já foi atendido... (sem muita moral teve esse senhor para pedir isso, pois nunca ganhou ou fez alguma coisa séria pelo CAP)! Quis a história que fôssemos nós os responsáveis por isso! Não só não deixamos morrer, fechar as portas, acabar, como o que está acontecendo com dezenas de clubes que eram muito mais fortes que nós em 1995, caso da Portuguesa de Desportes e outros, como transformamos o nosso Furacão de um clube de bairro em um dos maiores clubes das Américas! Meu caro, sou sócio faz 50 anos, ajudo este clube desde 1972 com grana para que não fechasse as portas, sempre vivendo de forma medíocre e miserável...", escreveu Petraglia.

O UOL Esporte confirmou a veracidade do envio com um conselheiro que recebeu a mensagem. Por fim, Petraglia encerrou pedindo "menos paixão" aos atleticanos.

"Estamos de consciência tranquila e segura que fazemos o que entendemos melhor para a Instituição Atlético, o tempo é o senhor da razão! Examine sem paixão, sem sentimentos negativos, com controle e lucidez e veja se alugarmos o nosso estádio para outro clube nos trouxe alguma mal ou causou algum prejuízo fora o que nossos pecados capitais que nos assaltam e dominam...

SRN

Mario Celso Petraglia".

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos