Em 2009, ataque a ônibus foi "arma" de Ronaldo para vencer SPFC no Morumbi

Diego Salgado e José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo

  • Simon Plestenjak/UOL

    Ônibus do Corinthians em frente ao Morumbi: incidente em 2009 serviu para motivar time

    Ônibus do Corinthians em frente ao Morumbi: incidente em 2009 serviu para motivar time

Havia um misto de apreensão e ansiedade no ar no momento em que o ônibus do Corinthians apontou na praça localizada em frente ao estádio do Morumbi na tarde do dia 19 de abril de 2009. Não demorou para a previsão se confirmar: o veículo virou alvo de pedras e latas de cerveja atiradas por torcedores são-paulinos horas antes de um clássico contra o São Paulo válido pela semifinal do Campeonato Paulista - cena parecida aconteceu no último sábado, em Buenos Aires, no momento em que a delegação do Boca Juniors chegava ao campo do River Plate.

Há nove anos, dentro do ônibus do Corinthians, o silêncio precedeu um dos episódios mais marcantes de Ronaldo no clube. O atacante aguardou o término do ataque, levantou-se e passou a dar tapas seguidos no teto do veículo. A apreensão e a ansiedade, então, deram lugar ao otimismo.

"Ele falou que o time ia ganhar, que aquela era a hora de vencer", disse uma pessoa ligada ao clube paulista e que estava dentro do ônibus.

Dito e feito. Dali a instantes, o Corinthians derrotou o São Paulo por 2 a 0, gols de Ronaldo e Douglas, e confirmou a passagem à decisão do campeonato. Semanas depois, o time alvinegro garantiu o título paulista, o primeiro da era Ronaldo no clube, que também faturou a Copa do Brasil em seguida.

EFE/Sebastiao Moreira
Horas depois do ataque ao ônibus do Corinthians, Ronaldo fez um gol na vitória por 2 a 0

Líder do elenco, o ex-zagueiro William disse em entrevista ao UOL Esporte que a reação positiva do elenco do Corinthians diante da situação era esperada. E isso ficou ainda mais forte quando Ronaldo, que não tinha o hábito de falar de um modo tão incisivo, resolveu se manifestar daquela forma.

"Aquele grupo se inflamava muito com desafios. Esse tipo de situação dava uma chacoalhada mesmo. Felizmente naquele episódio não aconteceu nada mais grave como na Argentina. Não chegamos a assustar tanto, mas, claro, a gente achou um absurdo. E isso chegou a criar na gente um estado de mais desejo de vencer o jogo", disse o ex-atleta.

William relembra que a situação se repetiu tantas vezes que os jogadores já chegavam preparados ao estádio do São Paulo. "Os torcedores ficavam a uns 30 metros da entrada. Lembro da polícia tentado evitar, mas o acesso para chegar ao Morumbi é muito complicado. Se o torcedor quiser fazer, faz. A gente fechava as cortinas justamente para poder proteger se alguma coisa arremessada estilhaçasse o vidro ou mesmo uma pedra atravessasse. A ideia era que o pano amortecesse", frisou.

Bruno Grossi/UOL
Vidro do ônibus do Corinthians foi quebrado após ataque em julho deste ano

Mesmo tanto tempo depois, as mesmas cenas ainda fazem parte da rotina de adversários do São Paulo em clássicos disputados no Morumbi. No último mês de julho e também no ano passado, pedras foram atiradas ao ônibus do Corinthians na chegada ao Morumbi, antes de jogos válidos pelo Campeonato Brasileiro.

Na Argentina, ataque a ônibus custou final

O episódio em que Ronaldo usou o ataque ao ônibus do Corinthians como uma motivação extra para o jogo com o São Paulo na semifinal do Paulistão se assemelha ao vivido pelo Boca Juniors no último sábado, próximo ao Monumental de Nuñez, campo do River Plate. As consequências da hostilidade na Argentina, entretanto, ultrapassaram o vivido pelos corintianos há quase uma década e resultaram no adiamento da segunda final da Copa Libertadores.

Leia também:

Quando se aproximava do estádio do maior rival, a delegação do Boca Juniors viu os objetos atirados por torcedores do River Plate arrebentarem boa parte dos vidros do ônibus. Sem as cortinas fechadas no momento do ataque, estilhaços voaram e atingiram membros da delegação. O capitão Pablo Pérez e o jovem Gonzalo Lamardo, que sequer estava relacionado para a final, acabaram feridos nos olhos.

Ao mesmo tempo, a Polícia usou gás de pimenta para conter os torcedores do River, mas o ato atingiu também os passageiros do ônibus. O motorista responsável por levar a delegação do Boca afirmou ao jornal La Nación que ?apagou por alguns segundos? e acordou com o Horacio Paolini, vice-presidente do clube, no controle do veículo.

"Isso o que aconteceu na Argentina não é fato isolado. Aqui já teve isso. Se não cuidar mesmo, vai acabar morrendo alguém. A gente está caminhando para isso", disse William.

Reprodução
Torcedores do River atacaram ônibus do Boca antes da segunda final da Libertadores

Pablo Pérez, que seria titular, foi diagnosticado com uma úlcera na córnea do olho esquerdo e desfalcaria o Boca Juniors na final, que seria jogada mesmo no sábado ? o clube resistiu e se recusou a jogar, conforme discurso dado na porta do vestiário do Monumental por Carlitos Tevez e Fernando Gago, dois dos mais experientes do elenco do Boca.

A Conmebol chegou a marcar a final para domingo, mas o Boca manteve a posição de não entrar em campo e acionou a entidade sul-americana a fim de buscar uma punição para o River Plate. Nesta terça-feira, as diretorias dos times e da organização a Libertadores se reúnem no Paraguai para marcar uma nova data para decidir a edição de 2018 do principal torneio de clubes do continente.

?É vergonhoso. A gente olha para a sociedade e imagina onde vamos para dessa forma. A gente vê morte acontecer no futebol direto. É um reflexo da sociedade?, afirmou o ex-zagueiro corintiano, que pediu punição exemplar após incidente.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos