Brasileirão Facts: última rodada resume ano do Flamengo; PE some do mapa

Do UOL, em São Paulo

  • Alexandre Loureiro/Getty Images

Ficou só no cheirinho mesmo, já que o Flamengo falhou em sua busca por títulos na temporada. Ainda assim, sua torcida lotou o Maracanã no sábado: foram 66.046 presentes, recorde de público deste Brasileirão. No campeonato, a média de público do time foi de 46.258, de longe a maior -- o São Paulo aparece em segundo, com 34.320 espectadores.

Ou seja: estava preparada uma festa para os vice-campeões, e o resultado foi novamente frustrante para um dos elencos mais caros do país. De modo que a derrota de virada para o Atlético-PR, que jogou basicamente com seus reservas, acabou sendo um resumo perfeito da temporada rubro-negra. Apoio popular, momentos promissores em campo, mas falta de consistência.

Não deixa de ser curioso, então, que a atual diretoria flamenguista tenha dado à última partida do ano um clima eleitoral, destacando ações da gestão de Eduardo Bandeira de Mello. Faltou combinar com o surpreendente adversário. Ao final, o que se ouvia das arquibancadas eram vaias e cantos contra o presidente.

Horário político

Eduardo Carmim/Photo Premium/Folhapress

O palco do título do Palmeiras virou também um palanque político neste domingo, com a presença do presidente eleito Jair Bolsonaro, um de seus torcedores mais ilustres, entregando e, depois, até mesmo erguendo a taça. Se havia cartazes de protesto contra Bolsonaro colados nos arredores do Allianz Parque (com mensagens que questionavam seu suposto apreço por outros clubes nacionais), dentro do estádio o que mais se ouviu foram gritos de apoio, em homenagem ao "Mito". 

Bolsonaro não estava sozinho neste palanque. Major Olímpio, seu companheiro de PSL e senador eleito por São Paulo, participou da entrega de medalhas aos campeões. O coronel Augusto Nunes, atual presidente da CBF, e Rogério Caboclo, que assumirá o cargo no ano que vem, lhes faziam companhia.

Sumiu do mapa

O Sport se juntou ao Vitória como um dos quatro rebaixados do Brasileirão, o equivalente a metade do contingente de clubes nordestinos no Brasileirão 2018. Mas essas perdas foram supridas pela ascensão de Fortaleza, campeão da Série B, e o CSA, que retorna à elite após 31 anos. 

Quem sai em baixa, mesmo, é o futebol pernambucano, que não será terá representantes na Primeira Divisão pela primeira vez desde 2011. Já o Sport, mesmo tendo vencido o Santos por 2 a 1, retorna à Segundona pela primeira vez desde 2013. O cenário é pior, todavia, considerando que Náutico e Santa Cruz vão disputar apenas a Série C em 2019.

A seção "Brasileirão Facts" faz parte do resumo da rodada do Brasileirão pelo UOL Esporte.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos