Topo

Futebol


Brasileirão Facts: última rodada resume ano do Flamengo; PE some do mapa

Alexandre Loureiro/Getty Images
Imagem: Alexandre Loureiro/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

03/12/2018 12h00

Ficou só no cheirinho mesmo, já que o Flamengo falhou em sua busca por títulos na temporada. Ainda assim, sua torcida lotou o Maracanã no sábado: foram 66.046 presentes, recorde de público deste Brasileirão. No campeonato, a média de público do time foi de 46.258, de longe a maior -- o São Paulo aparece em segundo, com 34.320 espectadores.

Ou seja: estava preparada uma festa para os vice-campeões, e o resultado foi novamente frustrante para um dos elencos mais caros do país. De modo que a derrota de virada para o Atlético-PR, que jogou basicamente com seus reservas, acabou sendo um resumo perfeito da temporada rubro-negra. Apoio popular, momentos promissores em campo, mas falta de consistência.

Não deixa de ser curioso, então, que a atual diretoria flamenguista tenha dado à última partida do ano um clima eleitoral, destacando ações da gestão de Eduardo Bandeira de Mello. Faltou combinar com o surpreendente adversário. Ao final, o que se ouvia das arquibancadas eram vaias e cantos contra o presidente.

Horário político

Eduardo Carmim/Photo Premium/Folhapress
Imagem: Eduardo Carmim/Photo Premium/Folhapress

O palco do título do Palmeiras virou também um palanque político neste domingo, com a presença do presidente eleito Jair Bolsonaro, um de seus torcedores mais ilustres, entregando e, depois, até mesmo erguendo a taça. Se havia cartazes de protesto contra Bolsonaro colados nos arredores do Allianz Parque (com mensagens que questionavam seu suposto apreço por outros clubes nacionais), dentro do estádio o que mais se ouviu foram gritos de apoio, em homenagem ao "Mito". 

Bolsonaro não estava sozinho neste palanque. Major Olímpio, seu companheiro de PSL e senador eleito por São Paulo, participou da entrega de medalhas aos campeões. O coronel Augusto Nunes, atual presidente da CBF, e Rogério Caboclo, que assumirá o cargo no ano que vem, lhes faziam companhia.

Sumiu do mapa

O Sport se juntou ao Vitória como um dos quatro rebaixados do Brasileirão, o equivalente a metade do contingente de clubes nordestinos no Brasileirão 2018. Mas essas perdas foram supridas pela ascensão de Fortaleza, campeão da Série B, e o CSA, que retorna à elite após 31 anos. 

Quem sai em baixa, mesmo, é o futebol pernambucano, que não será terá representantes na Primeira Divisão pela primeira vez desde 2011. Já o Sport, mesmo tendo vencido o Santos por 2 a 1, retorna à Segundona pela primeira vez desde 2013. O cenário é pior, todavia, considerando que Náutico e Santa Cruz vão disputar apenas a Série C em 2019.

A seção "Brasileirão Facts" faz parte do resumo da rodada do Brasileirão pelo UOL Esporte.

Mais Futebol