Topo

Futebol


Rosenberg cita Ronaldo e admite que Corinthians "tomou risco" com BMG

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Imagem: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Do UOL, em São Paulo

25/01/2019 16h01

Após a revelação de que o patrocínio fixo do BMG ao Corinthians cai a R$ 12 milhões anuais a partir de 2020, o diretor de marketing do clube, Luis Paulo Rosenberg, resolveu detalhar a explicação nesta sexta-feira (25). Ele admite que o Alvinegro "tomou risco" na operação, mas faz referência até a Ronaldo Fenômeno para defender a negociação.

"Fizemos um contrato semelhante com o Ronaldo, e foi o sucesso que vocês viram. Hoje estamos muito mais sólidos, com uma rede via internet extremamente ágil, com possibilidades de interagir com o torcedor? Então tomamos este risco, sim", reconhece o diretor de marketing em entrevista ao canal Fox Sports. Para Rosenberg, o valor do patrocínio pode ser mais do que duplicado pela ação da torcida.

"Os R$ 12 milhões são absolutamente residuais. Não estou nem olhando para isso", afirma Rosenberg. "Nós sempre dissemos que os R$ 30 milhões eram uma antecipação de resultados. O Corinthians aceitou ser sócio, e não apenas expositor, para ter o benefício de ficar com 50% do lucro desta operação. Isso é inédito, e depende da adesão da Fiel", completa.

Os R$ 30 milhões eram tratados como um adiantamento, realmente, mas a divisão entre valor fixo e participação nos lucros ainda não havia sido divulgada. Tal valor é considerado por Rosenberg como prova "da crença do banco de que a parceria dará certo" mas, a partir de 2020, o pagamento fixo cai a R$ 12 milhões.

O acordo do Corinthians com o BMG prevê um valor fixo de patrocínio - uma espécie de "piso" de pagamento - somado a participações sobre os lucros do aplicativo "Meu Corinthians BMG", a ser lançado em breve. Nesta plataforma online, o banco pretende disponibilizar produtos e serviços exclusivos para os corintianos, como poupança, investimentos e empréstimos. A cada três meses estão previstas auditorias para calcular os lucros destes produtos, dos quais 50% será repassado ao Corinthians. 

Os reais valores finalmente caíram em conhecimento público nesta sexta-feira, quando foi revelada uma ata de reunião do Conselho Administrativo do BMG. Tal documento revelou que o valor fixo do patrocínio anual do banco ao Corinthians é de R$ 12 milhões, não de R$ 30 milhões, como representantes do clube têm dado a entender nos últimos dias. Datada do último dia 15, a ata esteve publicada na área de "governança corporativa" do site do BMG, mas acabou saindo do ar misteriosamente após a repercussão do caso

Mais Futebol