Topo

Flamengo

CT do Fla recebe visita da polícia e inspeção de conselho

Adriano Wilkson/UOL
Carro da polícia deixa CT do Flamengo Imagem: Adriano Wilkson/UOL

Adriano Wilkson

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

11/02/2019 12h56

O centro de treinamento "Ninho do Urubu", do Flamengo, recebeu a visita de um veículo da Polícia Civil nesta segunda-feira (11) e de uma comitiva de representantes do Cedca, o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente. As funcionárias do órgão disseram que inspecionariam as condições oferecidas aos jogadores das categorias de base do clube, três dias depois do incêndio que matou dez atletas e deixou outros três feridos.

No começo da tarde, o clube divulgou que Cauan Emanuel, um dos feridos, recebeu alta hospitalar.

O elenco profissional também se reapresentou, mas não falou aos jornalistas antes do treino preparativo para o clássico contra o Fluminense pela semifinal da taça Guanabara, na quinta-feira.

Leia também 
Flamengo anuncia alta de primeiro atleta vítima do incêndio no Ninho
Mortes, falta de alvará e investigação: o que se sabe sobre tragédia no Fla
Por que CT não foi interditado por falta de alvará antes de incêndio?

Márcia Gatto, presidente do Cedca, órgão cujos membros são nomeados pelo Governo do estado, afirmou que um relatório será feito após a inspeção das instalações. "A gente já tem vários elementos que comprovam irregularidades", afirmou. "O que aconteceu tem responsáveis, não foi apenas uma tragédia. Os meninos não poderiam estar nestas condições. Era uma situação desumana. O conselho vai pedir a responsabilização."

A presidente do conselho disse que "não colocaria um filho" seu em um contêiner e que por isso os jogadores da base "não deveriam estar aqui". Questionada por um jornalista sobre se não seria prematuro fazer essa avaliação antes mesmo da vistoria, Márcia Gatto voltou atrás, se desculpou por usar o termo "desumanas" para descrever as condições do alojamento e disse que estão todos muito abalados pela tragédia.

A polícia continua com o inquérito que apura as causas e responsáveis do incêndio da última sexta-feira. 

Torcedores fantasiados de jogadores de futebol, de sheiks árabes e vestidos de pijama rubro-negro também apareceram na entrada do CT para rezar, prestar homenagem aos mortos e dar entrevista à imprensa. Moradores da região de Vargem Grande, na zona oeste do Rio, pararam diante do memorial instalado aos pés da estátua do ex-presidente George Helal, no qual foram depositadas camisas do Flamengo, flores, bandeiras e faixas em homenagem aos mortos.

Mais Flamengo