Topo

Cuca dá apoio para Carneiro após doping com cocaína: "Pensar no ser humano"

Marcello Zambrana/AGIF
Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

23/04/2019 12h22

Cuca deu o seu apoio para Gonzalo Carneiro, que apresentou resultado analítico adverso para cocaína. O treinador do São Paulo soube do caso de maneira informal antes mesmo da final do Campeonato Paulista, na última semana, e segurou a informação para não atrapalhar o clima do restante do elenco, que iria enfrentar o Corinthians.

"É um tema delicado, em que a gente não pode fazer qualquer julgamento sem saber o que ocorreu. Soube na semana passada, soube antes do próprio jogador. Teve um dia da semana, em que estava dando treino. Chamei para ele conversar, e falamos muitas coisas. Disse que tenho filha com 30 anos, ele tem 23. É um jovem que joga pela primeira vez em um time grande. Temos de pensar primeiro no ser humano, já tivemos outros casos no São Paulo. Esperar para ver o que vai ser resolvido, e ver de fato o que aconteceu. A vida é propensa a isso para todos os jovens. Não só do São Paulo, mas dos outros grandes, dos pequenos e dos médios também. O que pode acontecer é mil e uma ofertas durante uma saída à noite. E você pode cair em um exame. Entrei nesse mérito do que é a vida na cidade grande. Agora temos de acolher para ver o que pode acontecer", disse Cuca.

O treinador sentiu o jogador inseguro. Carneiro, que segundo o seu agente Pablo Bentancur sofre de depressão, é introspectivo e tem poucos amigos no Morumbi.

"Eu senti muita insegurança dele por estar em um grande clube e por não se sentir totalmente à vontade. São coisas que às vezes o jogador não passa. Ele falou que poderia estar mais à vontade. Ele viveu o grande momento no pênalti [contra o Palmeiras], no outro jogo não foi bem. Essa insegurança que passou. Pena demorar para falar. Sou de conversar com todos. Temos um jogador com problema, vamos e falamos. O São Paulo todo faz isso. Infelizmente, não sei se ocorreu ou não, mas temos de trabalhar", completou Cuca.

Além de uma possível punição pelo Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem (TJDAD), o atacante poderá ter também o seu contrato suspenso com o Tricolor, como publicou o UOL Esporte. Indicado por Diego Lugano, o jogador uruguaio tem vínculo com o clube até 31 de março de 2021.

Se esta hipótese for concretizada, o jogador ficaria separado do elenco e sem receber salários durante o período de suspensão. No futuro, o clube ainda avaliaria se iria continuar com o atacante e reintegrá-lo ou se rescindiria o acordo de vez. Pelo Código Brasileiro Antidoping, ele pode ser punido com até dois anos de afastamento dos gramados.

No caso, o teste foi realizado na partida contra o Palmeiras, no dia 16 de março. O exame foi encomendado pela Federação Paulista de Futebol, que faz a coleta e envia o teste para o laboratório. O resultado é informado à Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), responsável por fazer a gestão do resultado e por aplicar suspensão preventiva em casos específicos, como testes positivos para cocaína.

Segundo o procedimento da ABCD, quando preenche a ficha com seus dados para o exame antidoping, um atleta deve indicar um e-mail e um endereço residencial. Foi para esses dois locais, um virtual e um físico, que a entidade mandou a notificação da suspensão a Carneiro. O envio foi feito ao uruguaio na quarta-feira (16) pela manhã ou antes, provavelmente na segunda (14). A legislação antidoping estipula um prazo de sete dias úteis a partir da notificação para pedir a abertura da contrapropova.

O uruguaio teria avisado oficialmente o departamento de futebol do São Paulo ontem, sem fazer qualquer comentário sobre a substância que teria sido detectada no exame e disse que discutiria com os seus advogados se iria pedir a contraprova. No entanto, por meio dos bastidores, o clube já tinha a informação.

De acordo com o Tricolor, o jogador não participou da segunda partida da final do estadual, domingo, contra o Corinthians, por causa de uma tendinite no joelho esquerdo. Em função da lesão, o atacante uruguaio já estava fora da estreia do time no Campeonato Brasileiro, neste sábado, contra o Botafogo.

Considerado como uma promessa do futebol uruguaio, o jogador, de 23 anos, ainda não conseguiu emplacar uma boa fase no São Paulo. No total, desde o ano passado, ele disputou 24 partidas pelo time e marcou apenas um gol.

Siga o UOL Esporte no