Topo

Futebol


Vice do Inter relata ameaça de morte durante partida contra o Palmeiras

Do UOL, em Porto Alegre

11/07/2019 00h25

O vice-presidente de futebol do Inter, Roberto Melo, relatou que ele e os demais dirigentes do clube gaúcho foram ameaçados de morte durante a derrota por 1 a 0 para o Palmeiras, ontem (10), no Allianz Parque, em duelo de ida das quartas de final da Copa do Brasil.

"Foi lamentável o tratamento que recebemos no camarote aqui do Palmeiras. É um grande estádio, mas no camarote, presidente, dirigentes, fomos hostilizados o tempo inteiro. No camarote ao lado, que é de uma empresa de segurança, não é de torcida comum, é alugado, fomos ameaçados de morte. Queria fazer este registro, é lamentável vir para um estádio de futebol, de Série A, e passar por isso. Nunca tinha acontecido o que aconteceu hoje. Temos que fazer este registro, fomos ameaçados de morte por um senhor que estava no camarote ao lado. Gostaria de fazer este registro", afirmou. "No Beira-Rio vamos fazer um grande jogo, mas civilizadamente", completou.

Procurado para falar sobre a acusação, o Palmeiras respondeu: "O Palmeiras vai identificar quem estava nos camarotes ao lado para apurar o que aconteceu", disse o clube alviverde, por meio de sua assessoria.

Dúvida sobre B.O.

Melo ainda disse que relatou as ameaças à direção do Palmeiras e irá avaliar se realizará um boletim de ocorrência ou não.

"Já relatamos para o presidente e o Alexandre (Mattos). Falaram que vão notificar esta empresa de segurança. Já andamos em muitos estádios, nunca havia acontecido. Desde o início do jogo nos provocando, dizendo que não poderia torcer. Um sujeito fazendo arma com as mãos para o nosso presidente. É inaceitável. Que não se repita isso, é lamentável", disse.

O boletim de ocorrência ainda é incerto. A direção do Inter irá avaliar se fará ou não o registro legal.

"Ainda vamos conversar. Foi diretamente para o presidente (Marcelo Medeiros) É realmente muito grave. Teve gente que saiu do camarote em que estávamos porque se sentia incomodado. Fomos provocados o tempo inteiro, mandando ficar quieto, chegou quase a ter invasão, agressão, e culminou com isso, que poderia nos matar, fazendo sinal de arma com as mãos. Em um estádio desses, camarote que não é barato, passar por isso... Nunca tinha passado por isso no futebol", finalizou.

Em campo, o Palmeiras venceu por 1 a 0 e leva vantagem para o jogo de volta, em Porto Alegre, na próxima quarta-feira (17).

Mais Futebol