Mulher diz que apanhava de lutador preso pela Swat e culpa cocaína

José Ricardo Leite e Maurício Dehò
Do UOL, em São Paulo

Veja Também

Uma relação que ruiu após crises temperamentais do marido em função do uso de drogas que resultaram até em agressões. É assim que Thaysa Kamiji define seus anos de casada com o lutador de MMA Thiago Silva, que foi preso na última quinta-feira após ir a uma academia armado para ameaçá-la e também seu professor de artes marciais.

De acordo com a lutadora de jiu-jitsu, ela não estava mais junto com Thiago há mais de um ano. Diz que o casamento findou no final de 2012 e que vinham tendo uma relação respeitosa nos últimos meses, até que o Silva começou a "surtar" repentinamente.

"Sabe o que não entendo? Estávamos com um relacionamento saudável, de conversar, cada um no seu espaço. Foi nas três ultimas semanas que ele ficou assim. Acho que isso é consequência pelo uso de cocaína. Meu casamento acabou desde dezembro de 2012. Na nossa relação, eu tinha que lidar com o desequilíbrio e agressões dele. Mas nunca fui pra polícia falar por temer as reações. Mesmo depois de agredida eu não falava", afirmou ao UOL Esporte.

Veja o momento da prisão do brasileiro:



Ela relata que o casamento durou de 2004 a 2012 e que sofreu agressões como ser jogada de uma escada pelo lutador. Diz também que recentemente, quando voltou a procurá-la, Thiago invadiu sua casa e chegou a apontar a arma, o que a fez tomar coragem para enfim prestar queixa. Mas depois retirou por temer consequências piores.

  • Reprodução

    Thaysa Kamiji, lutadora que se casou com Thiago Silva em 2004

"Foi isso que acabou com o casamento. O problema foi a cocaína. Ele sempre acha que está acima da lei. A vizinha do lado ficava sabendo que quando eu gritasse era pra chamar a polícia. Ele tinha as paranoias de cocaína. Ele veio na minha casa, cortou minhas roupas e apontou a arma na minha cabeça. Eu já tinha dado algumas queixa, só que eu retirei, pois fiquei com medo", contou.

Thaysa nega de forma veemente que tenha traído Thiago com seu professor de jiu-jitsu e diz que o agora ex-lutador do UFC sabia da relação de ambos. Também diz não ter medo de futuras perseguições caso ele seja liberado. "Ele sabia que eu estava com o Pablo. Aqui são muito rígidos com essa questão de agressão a mulheres."

O professor da lutadora é o também brasileiro Pablo Popovitch, que vai na mesma linha e nega qualquer traição ao lutador. Disse até que nunca havia sido abordado ou incomodado por Thiago Silva. "Ele já não estava mais com ela há tempos. Ele já teve várias outras namoradas depois da Thaysa. Essa história de traição é uma piada."

Thiago Silva está preso em Miami depois de ser capturado pela SWAT, polícia de elite americana. Segundo informações locais, ele invadiu a academia de jiu-jítsu de Pablo Popovitch armado para tirar satisfação por conta de ciúme de Thaysa. Depois, ainda foi perseguido pelos policiais ao sair do local.

EQUIPE APOIA THIAGO SILVA

  • Se foi expulso do UFC após mais uma polêmica, pelo menos a equipe de Thiago Silva ainda o apoia. Ele treina na Blackzilians, em Boca Raton, na Flórida (EUA), ao lado de estrelas como Vitor Belfort e Rashad Evans, entre outros. Em contato com o UOL Esporte, o chefe da equipe, Glenn Robinson, afirmou que ele não será abandonado. "Nós estamos apoiando Thiago Silva durante as investigações. Não vamos emitir nenhum comunicado oficial, nem nos pronunciaremos sobre o ocorrido, mas nós estamos com ele 100% para que o caso seja esclarecido", disse Robinson.

Inicialmente, ele sofreu três graves acusações: tentativa de assassinato, agressão agravada por uso de arma letal e resistência a ação policial sem violência. Ele ainda precisa ser julgado.

Thiago Silva tinha luta marcada para o dia 15 de março em Dallas, nos Estados Unidos, contra Ovince St. Preux, no UFC 171, mas a organização, via presidente Dana White, já informou que ele não lutará mais lá.

O brasileiro passou por uma suspensão há pouco mais de um ano por causa de uso de maconha e voltou aos octógonos em junho de 2013, quando venceu Rafael Feijão. Em outubro, bateu Matt Hammil no UFC Barueri, em luta disputada após não conseguir bater o peso de sua categoria, os meio-pesados.

Questionado sobre os comentários de Thaysa sobre a violência no casamento e uso de drogas, o advogado de Thiago, Scott Saul, afirma que não pode dizer nada e que seu cliente não está sendo acusado por uso de drogas ou violência doméstica. Diz acreditar que ele não tenha sido testado para uso de drogas após ser detido.

De acordo com o advogado, Thiago ainda não foi acusado formalmente e e não há previsão para sair da cadeia. "Não podemos prever isso, ainda estamos só no começo deste caso. Ele foi preso, mas ainda não foi acusado formalmente, porque o juiz considerou que não havia evidências para as acusações. Nos próximos dias o caso será revisto, para se decidir se ele será acusado ou não. Se for, vou defendê-lo. Agora, ele permanece preso porque o juiz decidiu que, por ele não ser dos EUA, não haveria valor de fiança (para evitar fuga). Mas estou vendo meios de conseguir que ele aguarde em liberdade."

Versão de site americano

O site norte-americano TMZ deu detalhes de como foi a agressão do lutador. De acordo com a publicação, o brasileiro foi até a academia e aponto o revolver para sua esposa, a quem ele acusava de traição. "Você tem dez segundos para tirar o Pablo dali de dentro e se ele não sair, vou entrar e atirar em todo mundo'', teria dito Thiago.

 

Pablo então saiu para proteger Thaysa das agressões de Silva, que ameaçou atirar nos dois. Os ameaçados então conseguiram entrar na academia e chamaram a polícia. Foi quando Thiago fugiu para casa e foi perseguido pela SWAT.

thiago

Notícias relacionadas



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos