Domingo 17/04/2016 - 16:00

Eucyzão, Saquarema

7ª rodada

0
Boavista-RJ Boavista-RJ
Pós-jogo
1
Botafogo Botafogo
  • Leandrinho

Matéria de teste para preview da ficha

Webmaster UOL

Do UOL, em São Paulo

Muricy Ramalho colocou em campo diante do Corinthians a sexta escalação do São Paulo em seis jogos em 2015. Por um misto de opção tática, preservação de jogadores e oportunidade aos jovens, o treinador são-paulino não repetiu o time na temporada. Nesta quarta, uma equipe surpreendente, com algumas mudanças inéditas para o clássico, não deu certo: o time foi dominado e derrotado sem contestação em Itaquera.

Na estreia, defesa com Toloi e Edson Silva, Thiago Mendes no meio e Kardec e Luis Fabiano no ataque. Depois, Lucão ganhou lugar na defesa, Pato no ataque; Ganso voltou ao meio. No clássico com o Santos, chance para o garoto Ewandro. Contra o Bragantino, última partida, esquema com três zagueiros, estreia de Doria e Centurión, com o garoto Boschilia entre os titulares.

Diante do Corinthians, foram três mudanças inéditas: pela primeira vez no ano, Michel Bastos atuou na lateral esquerda; Doria, que só havia atuado com três zagueiros diante do Bragantino, jogou em uma formação com dois defensores. O meio com Denilson, Souza, Maicon e Ganso também apareceu pela primeira vez em 2015.

As surpresas vieram depois de uma semana repleta de mistérios: enquanto Tite revelou a escalação corintiana na terça, Muricy fechou os treinamentos, e deixou claro desde a semana passada que não revelaria a escalação. A estratégia não deu certo.

Um dos principais destaques do time na temporada, Michel Bastos não repetiu as boas atuações na lateral. Após o jogo, repetiu um discurso adotado já no começo do ano, de que rende mais no meio de campo. "Eu sei jogar, lógico, mas acho que hoje eu posso dar um pouco a mais em outra posição. Hoje o Muricy optou por isso para dar possibilidade a outro jogador, tentei dar meu máximo. A gente sempre quer jogar na nossa função", disse.

Dória também não foi bem, e vacilou em alguns lances. Na saída de campo, se irritou com perguntas sobre seu preparo físico. "Com certeza, estou preparado sim", disse, antes de deixar a zona mista.

O meio até trocou mais passes do que o Corinthians, mas, com dois centroavantes de pouca velocidade, Maicon e Ganso não encontraram espaço para enfiar as bolas. Cássio praticamente não trabalhou no Itaquerão.

Depois da partida, o próprio Muricy Ramalho reconheceu que as mudanças não surtiram efeito. "Quis liberar os dois laterais, os dois atacantes e o Ganso, mas não surtiu efeito. Não teve penetração, não teve jogada de fundo do campo. Para classificarmos na Libertadores, é muito pouco. Só com isso não tem condições".

O São Paulo volta a campo no sábado, diante do Audax, no Morumbi. Possivelmente, terá a sétima escalação da temporada. A missão, agora, é encontrar o time ideal antes de voltar a atuar pela Libertadores, diante do Danubio, na quarta-feira.
 

Fases do jogo

  • Primeiro tempoO jogo começou com muitos erros de passes de ambos os lados e bastante uso das ligações diretas nas tentativas de encaixar um ataque. O Boavista se mostrou um pouco superior, encontrando espaço principalmente pelo lado esquerdo do campo, onde o Botafogo teve problemas para defender com eficiência. A melhor chance aconteceu quando Guilherme Costa fez boa jogada pela direita e encontrou Thiaguinho, que apareceu dentro da área para chutar forte e rasteiro. Jefferson salvou com uma ótima defesa. O goleiro também apareceu em um chute à queima-roupa de André Luis. O Boavista até chegou a balançar as redes mais tarde, aproveitando um rebote que Jefferson deu, mas Matheus Paraná estava impedido. Só que o Botafogo também teve uma ótima chance, em um cruzamento de Luis Henrique da linha de fundo em direção a Bruno Silva, que estava livre na marca do pênalti. Mas o volante furou e não conseguiu finalizar.
  • Segundo tempoAs coisas mudaram um pouco no segundo tempo. O Botafogo ficou muito perto de abrir o placar logo aos dois minutos, quando Neilton cruzou para Gegê, que se antecipou ao zagueiro, mas não conseguiu completar. Em seguida, Neilton recebeu de Vinícius e chutou para balançar as redes, mas o lance foi invalidado por impedimento. De qualquer maneira, o Botafogo saiu mais vezes para o jogo em relação ao primeiro tempo e passou a criar bem mais ações ofensivas com a bola nos pés, também usando bastante as laterais do campo. O Boavista passou a apostar nos contra-ataques, mas não se segurou por muito tempo. Aos 29 minutos, Ribamar saiu na cara de Vinícius e bateu em cima do goleiro, mas Leandrinho aproveitou o rebote e bateu para o gol. O técnico Rodrigo Beckham reagiu imediatamente ao tirar um zagueiro (Victor) para colocar um meia (Léo Marquinho) no Boavista. Mas não deu resultado. O Botafogo continuou com a partida sob domínio e até teve chances de ampliar.

Destaques

  • Calor intensoA pausa para os jogadores se refrescarem no primeiro tempo aconteceu logo aos 20 minutos. A temperatura por volta das 16h30 parece mesmo ter interferido na partida, que melhorou consideravelmente depois disso.
  • AtrasoO jogo começou com cerca de três minutos de atraso. Isso porque os jogadores do Botafogo apareceram em campo muito depois dos atletas do Boavista.
  • Primeira derrotaO resultado derrubou a invencibilidade do Boavista como mandante no Campeonato Carioca. Dos cinco jogos anteriores, o time havia vencido quatro e empatado um.

Melhores

  • Jefferson, BotafogoO Botafogo melhorou no segundo tempo e chegou ao gol, mas poderia ter ido para o intervalo perdendo se não fossem por algumas boas intervenções do goleiro.

Piores

  • Davi, Boavista-RJFalhou em muitos momentos na contenção dos avanços do setor direito do Botafogo, permitindo alguns buracos por ali para que o adversário criasse, sobretudo no segundo tempo.

Próximos Jogos - Botafogo

  1. Ponte Preta PON
    Botafogo BOT
  2. Flamengo FLA
    Botafogo BOT
  3. Bahia BAH
    Botafogo BOT
  4. Botafogo BOT
    Flamengo FLA
  5. Botafogo BOT
    Grêmio GRE

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos