Terça-feira 23/02/2016 - 16:45

Emirates Stadium, Londres

0
Arsenal Arsenal
Pós-jogo
2
Barcelona Barcelona
  • Messi
  • Messi

Matéria de teste para preview da ficha

Webmaster UOL

Do UOL, em São Paulo

Muricy Ramalho colocou em campo diante do Corinthians a sexta escalação do São Paulo em seis jogos em 2015. Por um misto de opção tática, preservação de jogadores e oportunidade aos jovens, o treinador são-paulino não repetiu o time na temporada. Nesta quarta, uma equipe surpreendente, com algumas mudanças inéditas para o clássico, não deu certo: o time foi dominado e derrotado sem contestação em Itaquera.

Na estreia, defesa com Toloi e Edson Silva, Thiago Mendes no meio e Kardec e Luis Fabiano no ataque. Depois, Lucão ganhou lugar na defesa, Pato no ataque; Ganso voltou ao meio. No clássico com o Santos, chance para o garoto Ewandro. Contra o Bragantino, última partida, esquema com três zagueiros, estreia de Doria e Centurión, com o garoto Boschilia entre os titulares.

Diante do Corinthians, foram três mudanças inéditas: pela primeira vez no ano, Michel Bastos atuou na lateral esquerda; Doria, que só havia atuado com três zagueiros diante do Bragantino, jogou em uma formação com dois defensores. O meio com Denilson, Souza, Maicon e Ganso também apareceu pela primeira vez em 2015.

As surpresas vieram depois de uma semana repleta de mistérios: enquanto Tite revelou a escalação corintiana na terça, Muricy fechou os treinamentos, e deixou claro desde a semana passada que não revelaria a escalação. A estratégia não deu certo.

Um dos principais destaques do time na temporada, Michel Bastos não repetiu as boas atuações na lateral. Após o jogo, repetiu um discurso adotado já no começo do ano, de que rende mais no meio de campo. "Eu sei jogar, lógico, mas acho que hoje eu posso dar um pouco a mais em outra posição. Hoje o Muricy optou por isso para dar possibilidade a outro jogador, tentei dar meu máximo. A gente sempre quer jogar na nossa função", disse.

Dória também não foi bem, e vacilou em alguns lances. Na saída de campo, se irritou com perguntas sobre seu preparo físico. "Com certeza, estou preparado sim", disse, antes de deixar a zona mista.

O meio até trocou mais passes do que o Corinthians, mas, com dois centroavantes de pouca velocidade, Maicon e Ganso não encontraram espaço para enfiar as bolas. Cássio praticamente não trabalhou no Itaquerão.

Depois da partida, o próprio Muricy Ramalho reconheceu que as mudanças não surtiram efeito. "Quis liberar os dois laterais, os dois atacantes e o Ganso, mas não surtiu efeito. Não teve penetração, não teve jogada de fundo do campo. Para classificarmos na Libertadores, é muito pouco. Só com isso não tem condições".

O São Paulo volta a campo no sábado, diante do Audax, no Morumbi. Possivelmente, terá a sétima escalação da temporada. A missão, agora, é encontrar o time ideal antes de voltar a atuar pela Libertadores, diante do Danubio, na quarta-feira.
 

Como foi o jogo

  • Primeiro tempoJogando dentro de casa, o Arsenal não se intimidou diante do poderoso Barcelona. Entre as diversas chances, a principal aconteceu aos 24 minutos. Bellerín chutou cruzado após cruzamento de Özil. A bola desviou em Daniel Alves e sobrou limpa para Chamberlain, que se atrapalhou na hora do chute e ficou fácil para Ter Stegen defender. Acuado durante a primeira metade, o Barcelona passou a sair mais para o jogo e quase balançou as redes no final da primeira etapa: Suárez perdeu duas chances, aos 44 e 46 minutos.
  • Segundo tempoO Barcelona voltou melhorar para a segunda etapa. Logos aos 3 minutos, Neymar recebeu belo passe de Iniesta, mas Cech saiu bem para evitar o gol. Muito apagado na partida, Olivier Giroud quase decidiu aos 14 minutos. Monreal cruzou da esquerda e o francês subiu para cabecear, obrigando Ter Stegen a se esticar todo e tirar a bola em cima da linha. E quando parecia que o Arsenal abriria o placar, o Barcelona decidiu em um contra-ataque: Neymar disparou e recebeu de Jordi Alba. O brasileiro avançou e rolou para Messi, que teve calma para dominar e tocar no contrapé de Petr Cech. Apesar do gol, o Arsenal chegou a pressionar em busca de um empate, mas não teve sucesso. Para piorar, aos 38 minutos, Flamini fez pênalti em Messi. O próprio argentino cobrou e ampliou o marcador.

Destaques

  • Messi finalmente supera CechUm dos maiores artilheiros da história da Liga dos Campeões, Lionel Messi não costumava ter sorte contra um adversário em específico: Petr Cech. Antes do início da partida, o craque argentino já estava há 474 minutos sem conseguir balançar as redes do goleiro tcheco. A noite desta terça-feira, porém, colocou um ponto final nisso: aos 26 minutos do segundo tempo, o argentino recebeu de Neymar e finalmente furou o paredão do Arsenal.

Melhores

  • Messi, BarcelonaMesmo quando não faz sua melhor partida, Messi termina o jogo como o melhor em campo. As oportunidades foram poucas, mas quando surgiram, o argentino mandou para o fundo das redes. Na primeira, aproveitou passe de Neymar. Já na segunda, teve tranquilidade para deslocar Cech na cobrança de pênalti.
  • , Barcelona

Piores

  • Olivier Giroud, ArsenalEsperança de gol do Arsenal, Olivier Giroud teve uma noite de quase nenhum destaque. Na única grande chance de gol que teve, obrigou Ter Stegen a fazer grande defesa no segundo tempo. No mais, pouco apareceu e errou muitos passes: dos 24 que tentou, acertou apenas 12.
  • , Barcelona

Melhores notas

  • Arsenal
  • Barcelona
Avaliação
dos usuários
do Placar UOL
5
8,0
Özil
5
8,1
Iniesta
 
1
7,5
Alexis Sánchez
1
8,1
Neymar

Próximos Jogos - Arsenal

  1. Arsenal ARS
    Crystal Palace CRY
  2. Arsenal ARS
    Chelsea CHE
  3. Swansea City SWA
    Arsenal ARS

Próximos Jogos - Barcelona

  1. Betis BET
    Barcelona BAR
  2. Barcelona BAR
    Espanyol ESP
  3. Barcelona BAR
    Alavés ALA
  4. Chelsea CHE
    Barcelona BAR
  5. Barcelona BAR
    Chelsea CHE

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos